Com a retomada das atividades presenciais, especialistas em saúde mental alertam para as doenças psicológicas, como ansiedade, depressão e síndrome de Burnout, que podem surgir. Nayara Teixeira, psicóloga e gerente técnica na MAPA Avaliações, afirma que o retorno à rotina de trabalho nas empresas, comércios e indústrias poderá gerar um choque de realidade e disparar gatilhos para doenças psicológicas. 

“O medo, incerteza com o futuro, mudança no ritmo das relações sociais, familiares e de trabalho são gatilhos em pessoas diagnosticadas e que já fazem tratamento para controle de patologias como a ansiedade. Ao retornar, eles poderão sofrer recaídas”, explica a psicóloga Nayara Teixeira, gerente técnica na MAPA Avaliações,  empresa que se dedica ao estudo e desenvolvimento de ferramentas e metodologias de avaliação psicológica.

 Síndrome de Burnout

Além de transtornos depressivos e de ansiedade, os profissionais também podem desenvolver a síndrome de Burnout. Causada pelo esgotamento físico e emocional, é um distúrbio psíquico de caráter depressivo definido pelo psicólogo Herbert J. Freudenberger como um estado de esgotamento físico e mental cuja causa está intimamente ligada à vida profissional.

Quando colaborador está com problemas relacionados à saúde mental, a queda no ritmo de trabalho cai e, consequentemente, caem também os resultados, impactando diretamente no crescimento da empresa e do profissional. Isso, sem contar no quanto os relacionamentos no ambiente corporativo podem ser prejudicados”, ressalta a gerente.

Após a pandemia, os gestores e toda a equipe de Recursos Humanos devem ficar atentos. “Os cuidados com a saúde e o bem-estar devem estar em alta, sendo um tema abordado constantemente entre conversas e reuniões entre a equipe, na comunicação institucional, nos grupos e até mesmo nas redes sociais da empresa”, finaliza Nayara Teixeira.

De acordo com Luciano de Paula, CEO da MAPA Avaliações, para reduzir esses impactos, os RHs terão papel fundamental na jornada do trabalhador quando a pandemia passar. “Será necessário que haja um trabalho em conjunto, para mitigação dos reflexos em todos os aspectos. Quem trabalha com saúde, trabalha feliz e, consequentemente, trabalha melhor”, conclui.