Os impactos econômicos da pandemia do novo coronavírus já se fazem sentir em todo o mundo. A cada dia, governantes vêm a público para anunciar pacotes bilionários – ou trilionário, no caso dos Estados Unidos – com o objetivo de evitar uma recessão.

Confira uma lista com medidas fiscais implementadas pelas maiores economias do mundo,  segundo informações da TMF Group, provedora líder global em serviços empresariais. 

Estados Unidos

O governo dos EUA lançou um plano de alívio econômico emergencial de US$ 300 bilhões para pequenas empresas para ajudar pequenas empresas a cobrir a folha de pagamento e as despesas. Fornecerá assistência de fluxo de caixa através de empréstimos 100% garantidos pelo governo federal aos empregadores que mantêm sua folha de pagamento durante a crise. Empréstimos serão expandidos para permitir o suporte da folha de pagamento, incluindo licença médica paga, interrupções na cadeia de suprimentos, salários de funcionários, pagamentos de hipotecas e outras obrigações de dívida para fornecer acesso imediato ao capital para pequenas empresas.

 China

O Conselho de Estado da China divulgou uma diretriz para agilizar a recuperação do emprego e mantê-lo estável para combater o impacto do surto de COVID-19. Isso incluía priorizar o emprego, ajudar os trabalhadores migrantes a voltar ao trabalho, expandir as oportunidades de emprego para os graduados, garantindo a segurança social. Além disso, incluiu redução de impostos e taxas direcionada para rastreamento rápido de empregos, ao mesmo tempo em que prioriza o investimento em setores que podem criar mais empregos. Ele também pediu um ambiente melhor para uma cobertura mais ampla dos empréstimos garantidos para startups e apoio político para investimentos em empreendimentos.

 Japão

O governo japonês está emitindo crédito de mais de US$ 14 bilhões para ajudar micro e pequenas e médias empresas por meio de um programa de empréstimos com taxa reduzida, com apoio financeiro sem garantia e sem juros. Instituições financeiras privadas fornecerão novos empréstimos e vão alterar os termos da dívida existente.

 Coréia do Sul

O governo está oferecendo uma redução de IVA para empresas com receita de US$ 47.000 ou menos por ano.

Reino Unido

Mobilização de recursos significativos e apoio a empresas, fornecendo suporte ao fluxo de caixa e benefícios fiscais. A intervenção das autoridades fiscais do Reino Unido foi mais voltada para apoiar as empresas do que apoiar diretamente as pessoas que serão potencialmente afetadas pelo desemprego e perda de renda. O Reino Unido identificou medidas focadas tanto em grandes entidades quanto em pequenas empresas. Exemplos:  empréstimos garantidos pelo governo; doações para pequenas empresas e varejo, lazer e turismo; cortes nos impostos de negócios; anistia no pagamento de hipoteca por 3 meses. 

Itália

A Itália concentrou-se apenas em adiar os prazos fiscais e fornecer créditos tributários para empresas em que as receitas diminuíram em pelo menos 25%. A eficiência das medidas pode ser questionada, considerando que nenhum dinheiro imediato é injetado na economia e os fluxos de caixa da empresa não são recuperados imediatamente.

 Alemanha

Agiu tanto no apoio ao emprego, fornecendo subsídios de trabalho de curto prazo quanto no fluxo de caixa, fornecendo garantias e empréstimos apoiados pelo governo.

 França

Concentrou-se no apoio em pequenas empresas e indústrias afetadas. Ao contrário do Reino Unido, nenhum plano específico foi anunciado para grandes indústrias.