Com os avanços da tecnologia, o RH, que era um departamento operacional, se tornou estratégico nas empresas. O fechamento do ponto, que antes demorava horas ou até dias para acabar, hoje, com uma solução em nuvem, é feito de maneira ágil e prática.

Toneladas de papéis, formulários, carimbos e documentos já deram lugar a softwares de gestão, sistemas de análise de clima organizacional, plataformas de educação e treinamento corporativo, ferramentas para recrutamento e seleção, entre outros. Essa transformação vem sendo chamada de HR Tech, ou RH tecnológico, e é considerada uma mudança de mentalidade. 

Segundo Helena Ribeiro, fundadora da Razão Humana Consultoria e mestranda em indicadores de T&D/RH, na atualidade, o cenário para o profissional de RH é de desafios. “Com a chegada do HR Tech, faltam mãos de obras qualificadas, inclusive, há rumores de “apagão da mão de obra” em alguns setores do RH. Este fim do ano é boa oportunidade para o profissional refletir se, nos últimos anos, implantou ou fomentou ambientes criativos, inovadores, inclusivos e sustentáveis e pensar em investir em capacitação e desenvolvimento”, afirma.  

Tecnologia
Um estudo desenvolvido pela Deloitte chamado Digital HR: Platforms, people, and work – que pode ser traduzido como RH Digital: plataformas, pessoas e trabalho – mostrou que, para os próximos anos, 56% das empresas estão repensando seus programas de RH e implantando soluções digitais com o objetivo de aprimorar processos e rotinas.

Nesse cenário, o profissional de recursos humanos que deseja se destacar precisa se manter atualizado e acompanhar as tendências. “O profissional de RH, além de  conhecer sobre tecnologia e entender quais são os melhores modelos disponíveis, deve pesquisar sobre aprisionamento tecnológico e como evitá-lo: é fundamental existir uma relação de liberdade para que a empresa possa mudar de fornecedor de software a qualquer momento. Por isso, procure por fornecedores que não cobrem multa de rescisão e obriguem o uso da solução por tempo determinado, essa prática é chamada de aprisionamento tecnológico e atrapalha a gestão de RH”, comenta Marcelo Germano de Oliveira, sócio diretor comercial da iFractal.

Idiomas
Já não é novidade que o mundo está cada vez mais conectado e as empresas globalizadas. Nesse contexto, dominar outros idiomas, principalmente o inglês e espanhol, deixou de ser um diferencial e se tornou realidade para o profissional de RH. Hoje, já existem cursos de idiomas para profissionais de Recursos Humanos que ensinam os jargões e a linguagem técnica da área.  

Redes sociais
Mantenha o LinkedIn sempre atualizado. “Não deixe o seu perfil abandonado só porque não está procurando emprego no momento. A rede é um organismo vivo e precisa ser alimentada constantemente para gerar resultados. Comente os posts de profissionais que você admira, compartilhe suas conquistas mais recentes e, sempre que possível, produza conteúdo de qualidade, capaz de dividir os seus conhecimentos com outras pessoas. É preciso ser visto para ser lembrado”, afirma Diego Barbosa, headhunter da Yoctoo, consultoria boutique de recrutamento e seleção.

Objetivos
Para alguns profissionais, evoluir na carreira é um dos objetivos mais importantes quando chega um novo ano, seja ser promovido, melhorar habilidades profissionais, entrar em uma nova área ou buscar uma nova oportunidade de emprego. Para isso, defina objetivos claros e específicos para 2020. “Por exemplo, em vez de dizer ‘Quero ser melhor em falar em público’, você pode dizer: ‘Quero fazer uma apresentação de 10 a 15 minutos para uma audiência de 50 ou mais pessoas’”, aconselha Felipe Calbucci, diretor de vendas do Indeed no Brasil.