Há 20 anos, a Harvard Business Review tem estudado líderes em mais de 30 países para ajudá-los a entender como o estado de espírito pode afetar o clima da empresa.

Segundo João Gabriel Mattos, psicopedagogo no Instituto Aware no caso de um profissional em cargo de liderança, o estado de ânimo negativo pode bloquear as conexões tornando a missão de liderar mais árdua e ineficiente. Esse fator gera um efeito progressivo que pode comprometer o clima organizacional e, por consequência, a saúde emocional e física de todos os colaboradores, além de prejudicar os resultados da empresa. “O colaborador deixa a sua marca no clima através dos seus comportamentos, pensamentos, sentimentos e, inclusive, através da sua energia, como se fosse uma impressão digital na atmosfera do local”, explica.

Uma pesquisa global, realizada, em 2015, pelo EY Beacon Institute em parceria com a Harvard Business Review, com cerca de 500 executivos, concluiu que mais de 80% dos entrevistados acreditam que o autoconhecimento pode trazer mais positividade para o estado de espírito na empresa.

Para obter esse autoconhecimento, alguns profissionais buscam a ajuda de um coach. De acordo Madalena Feliciano, empresária e CEO da empresa IPC (Instituto Profissional de Coaching), assim que o trabalho começa, é comum descobrir que a raiz dos problemas está na vida particular. “Uma pessoa que se desgasta em casa, em meio a brigas e estresse, já chega para trabalhar com suas energias por um fio. Somos seres humanos, tudo está interligado: se há insegurança, essa reflete no profissional e pessoal. Assim acontece com a ansiedade, a tristeza e a alegria”, conclui a master coach internacional.

Para Mattos,  ampliar a percepção e a consciência em relação aos próprios pensamentos, sentimentos e emoções permite identificar as causas do problema. Já para não se contaminar com ânimos ruins, uma dica é ter clareza sobre as suas ideias e um posicionamento consciente.