No setor público, a contratação de serviços ou aquisição de produtos é realizada por meio de um procedimento administrativo chamado licitação. Esse procedimento, para ter êxito, requer muita pesquisa, dedicação, trabalho em equipe e comprometimento. Desde o início do processo de finalização do termo de referência até a publicação oficial do edital de pregão, dependendo do tamanho do projeto, pode levar meses.

Como todo processo que envolve dinheiro público, o tema desperdício nas licitações públicas, sempre, está em evidência. Um dos aspectos mais criticados é a falta de qualidade dos serviços e/ou produtos contratados ou sua inexecução, total ou parcial. Por isso, os servidores envolvidos precisam conhecer, em detalhes, as necessidades do órgão público.

Para evitar que isso aconteça, o departamento de licitação deve procurar abrir espaço para conhecer o maior número possível de fornecedores e produtos do objeto a ser licitado, assim, será possível entender melhor sobre as empresas, produtos, serviços, políticas de preços e cases de sucesso”, sugere Marcelo Germano de Oliveira, sócio diretor comercial da iFractal.

No caso da contratação da plataforma de ponto eletrônico, uma das principais ferramentas do RH, os especialistas das áreas de gestão de pessoas e tecnologia precisam ser consultados. Afinal, a descrição, avaliação e validação do software, necessariamente, precisam ser feitas em conjunto.

“A POC (prova de conceito) deve ser preparada de forma criteriosa,  contendo questões elaboradas por especialistas das áreas de gestão de pessoas e tecnologia. Se todos os critérios forem cobertos, inegavelmente, o órgão poderá ser atendido com excelência. Outra dica importante é colocar condições que assegurem  que o software tem condições de atender a demanda exigida pelo órgão, item, muitas vezes, desconsiderado durante a prova de conceito, mas, de extrema relevância para o sucesso do projeto”, afirma Marcelo.