Fomos convidados a conhecer a sala E60 – A Missão, localizada no bairro de Moema, voltada à área de Recursos Humanos. Nessa sala, a função do grupo é salvar os Países Bálticos, que estão em guerra.

Logo que chegamos, os funcionários do Escape 60, com muita simpatia, nos passaram as instruções e avisaram para não esperarmos muitas dicas dos operadores pelos alto falantes, porque, o objetivo do jogo é estimular o trabalho em equipe, a comunicação e a resolução de problemas. Saímos de lá entusiasmados e nos sentindo desafiados a jogar novamente. Pensando nos Recursos Humanos, listamos as nove lições que observamos em nossa experiência.

1. Ter criatividade na comunicação

Logo no início, aprendemos que a criatividade na comunicação pode abrir portas. É preciso tentar enxergar através dos olhos do outro, independente de crenças, opiniões e valores. Assim, a comunicação fica muito mais natural e eficaz.

2. A importância da equipe caminhar em conjunto

A segunda lição diz respeito a não avançar metas sem que toda equipe esteja acompanhando o projeto. O grupo tem que caminhar junto sem que nenhum integrante fique para trás, afinal, todos sempre têm alguma ajuda a oferecer.

3. Coletar informações

Aprendemos que a busca individual por informações favorecem avançar as etapas de um projeto. Cada pessoa tem seu jeito próprio de buscar por informações e isso é importante pois enriquece o conhecimento de todo o grupo.

4. Foco no objetivo

Embora obter muitas informações seja importante, o acúmulo pode implicar na dispersão de ideias e tirar o foco do objetivo. Por isso, é essencial que todos tenham em mente as prioridades de etapa.

5. Entender do papel de cada um

Como o nosso modelo de gestão é a holocracia, a sintonia do nosso grupo estava muito alinhada e cada integrante conseguiu buscar o seu papel sem que precisasse de uma única liderança.

6. Saber ouvir

É extremamente importante ouvir e respeitar a todas sugestões. Em nossa experiência, nossos estagiários ajudaram muito ao demonstrar conhecimento e raciocínio rápido. Isso pode fazer grande diferença em ganho de tempo.

7. Bom humor

Todo desafio gera vários níveis de estresse. O que observamos é que o bom humor durante o processo de trabalho é essencial para que a harmonia e a conexão do grupo seja mantida. Afinal, ninguém gosta de trabalhar com quem só reclama.

8. Celebrar sempre

Não perca a oportunidade de celebrar a cada vitória conquistada: isso irá renovar o ânimo da equipe para os próximos desafios. Muitas vezes deixamos passar em branco pequenas conquistas, e com isso, também acabamos deixando passar em branco a sensação de vencer muitas vezes.

9. Aprender a sempre ver o lado positivo

Infelizmente, por muito pouco, nós não conseguimos sair da sala E60. Chegamos até o último desafio, porém faltou tempo. Mas, a lição foi entender que, embora o objetivo não tenha sido atingido, várias etapas foram vencidas, o que é normal em muitos projetos. Saímos não com a sensação de ter perdido, mas desafiados a retornar pra vencer em grupo.

Materia iFractal no Escape60 02.jpg

Aproveitamos a visita para conversar com Jeannette Galbinski, sócia e diretora de marketing do Escape 60.

Leia na íntegra:

Quantas empresas e quantos colaboradores já passaram pelo Escape 60?

Desde o início, foram cerca de 500 empresas. Entre elas, Itaú, Sodexo, Facebook, Linkedin, C&A, Motorola, Google, entre outras. As empresas fazem a atividade conosco em grupos que variam de 10 a 200 pessoas. Em vários casos, devido ao sucesso da primeira experiência, as empresas voltam com outros departamentos ou em outras salas com o mesmo grupo.

Geralmente, quais são os objetivos mais comuns dos Recursos Humanos?

Por conta de o jogo possuir uma sequência lógica de desafios, ele ajuda a estimular a integração, a comunicação, o trabalho em equipe, a liderança e as competências para soluções de problemas, as estratégias criadas pelo Escape 60 podem ser usadas para estimular atitudes e habilidades dos participantes. As empresas procuram a ferramenta corporativa para treinamento, integração de equipes, confraternizações e seleção de novos talentos.

Quais são os aspectos profissionais e pessoais que os cenários podem estimular?

Comunicação, lideranças, integração, trabalho em equipe, resiliência, análise, entre outras.

Qual é a porcentagem dos participantes que conseguem resolver todos os enigma?

Nossos enigmas são feitos para que em torno de 20% dos grupos consigam sair das salas.

Poderia citar alguma situação que pode ser vista pelo RH durante o jogo e trabalhada posteriormente no dia a dia?

Análise de comunicação de um determinado grupo. Dentro da sala não se falam, as pistas não são compartilhadas e não se ajudam como uma equipe. Isto pode ser um reflexo do dia a dia do grupo e precisa ser trabalhado.

Qual é a expectativa de crescimento para o segmento de RH em 2017?

Esperamos crescer 100% em 2017, incluindo empresas nas nossas unidades de Fortaleza, Curitiba, BH, Rio, Santo André e São Paulo.